"4" Post(s) arquivados na Tag: poesia

20 de outubro de 2020

0 Comentários

Não sinta

Por Eriane Dantas

Um ponto
é qualquer dor minha
diante dos males do mundo,
queixas não cabem nesta vida.
Então àquela no espelho eu ordeno:
não sinta!
Ainda assim eu sinto,
sinto,
sinto,
sinto.


Coisa doida é reparar
no que se sente.
Aquela marca encolhida lá dentro
acha uma brecha,
se exibe,
parece se colar à pele,
de onde a vista não se desvia.

Continue lendo
22 de setembro de 2020

0 Comentários

Sem eco

Por Eriane Dantas

As palavras saíram,
desengasgaram a indignação
que me pesava o peito.


E o eco não veio,
aquele barulho alto ou mesmo um sussurro
que meus ouvidos ansiaram escutar.
Minha voz bateu num obstáculo qualquer
e voltou a gritar
dentro de mim.


Continue lendo
04 de agosto de 2020

2 Comentários

[Resenha] Morreste-me

Por José Luís Peixoto

  • Título Original: Morreste-me
  • Gênero do Livro: Novela
  • Editora: Dublinense
  • Ano de Publicação: 2015
  • Número de Páginas: 64
Sinopse: "Morreste-me" foi o livro que revelou o escritor português José Luís Peixoto. Publicada em 2000, é uma obra tocante e comovente: é o relato da morte do pai, o relato do luto e, ao mesmo tempo, uma homenagem, uma memória redentora.
Comprar na Amazon

Comigo, a casa estava mais vazia. O frio entrava e, dentro de mim, solidificava (p. 17).

Morreste-me é o nome dessa obra de José Luís Peixoto, e seu título delata o impacto que o texto causa no leitor.

José Luís Peixoto é um escritor português cujas obras têm sido premiadas e bem recepcionadas pela crítica literária mundo afora.

Morreste-me é difícil de digerir: traz um tema pesado (com o qual ninguém gostaria de lidar), com uma escrita que potencializa o incômodo do tema.

Em primeira pessoa, o narrador fala da morte do pai, como se com ele conversasse. Relembra os momentos vividos juntos, a aproximação da morte, os ensinamentos do pai, mesclando o passado com o presente: o presente em que o filho não tem mais o pai ao lado.

Continue lendo
28 de julho de 2020

2 Comentários

Outra versão da vida

Por Eriane Dantas

Um café,
dois,
três.
Novo ofício,
e-mail,
telefonema,
despacho para não sei onde,
reunião com não sei quem.


Espero as 17 horas,
espero o fim de semana,
espero as férias,
espero o Natal,
espero outro ano começar.

Continue lendo

1 2 3 5
© 2020 Histórias em MimDesenvolvido com por