08 de fevereiro de 2024

0 Comentários

Meu melhor amigo

Revi essa foto na casa dos meus pais dias atrás, uma foto impressa, do tempo em que revelávamos nossas fotografias e as guardávamos em álbuns de papel.

Essa imagem desbloqueou a memória da infância e pré-adolescência. Por isso, tirei uma foto da foto para guardar comigo, no meu arquivo eletrônico.

Esse aí, todo posudo, era o meu melhor amigo daquela etapa da vida — e isso não é mero clichê. Ele era quem me acompanhava em passeios pelas ruas do bairro, em brincadeiras solitárias.

Olhando em retrospecto, eu era uma criança introvertida (não que isso tenha mudado tanto com o tempo). A diferença de quatro anos entre minha irmã e eu quase sempre nos colocou em fases diferentes, com interesses diferentes, à medida em que crescíamos. E meus maiores interesses ficavam circunscritos ao espaço da casa (tevê e criação de histórias) ou das proximidades (leitura de textos bíblicos na missa semanal e passeios com ele).

Continue lendo
31 de janeiro de 2024

0 Comentários

Você não sabia

Por Eriane Dantas

Três coisas que você não sabia. Cinco coisas que não te contaram. Dez coisas que não querem que você saiba. Quinze coisas que você precisa aprender. Vinte coisas que você deve (ou não) fazer. Trinta livros que você deve ler. Cem filmes que você não pode perder. Já topou com um desses títulos pela internet?

Seus autores compartilham dicas para emagrecer, empreender e ganhar dinheiro e episódios da vida pessoal de celebridades. Desvendam segredos da indústria farmacêutica, das religiões, de hotéis, de restaurantes, do sistema financeiro, do governo. Abordam fatos aleatórios, conhecimentos sobre o céu, a terra, a água e o ar, sobre pré-história, geopolítica, mudanças climáticas etc. etc. etc.

A toda hora, alguém nos acusa de desinformados e se dispõe a nos transmitir ensinamentos. Mesmo sem nos conhecer, os criadores dessas listas sabem o que não sabemos e o que necessitamos saber. Especialistas, detentores de dados secretos, inimigos das conspirações, eles generosamente partilham aquilo que ninguém mais quer que descubramos.

Continue lendo
14 de dezembro de 2023

2 Comentários

Mente workaholic

Mente obstinada
workaholic assumida
nem sempre ao meu favor
às vezes melhor amiga
outras me dá rasteira
parece me odiar
Gira ao redor do rabo
profere insanidades
traz lembranças que eu não quero lembrar
Não me conta a senha do banco
não me sopra a letra da música que amo
nem o nome do filme que quero indicar
e me sussurra um fato de dez anos atrás
Peço pra me inspirar uma história
ela me dita uma catástrofe
não vai dar certo
a casa vai cair
o teto vai ruir
você vai tropeçar
sua voz vai falhar
ninguém no mundo vai curtir
é só isso o que ela diz
Continue lendo
20 de outubro de 2023

3 Comentários

[Resenha] Capitães da areia

De Jorge Amado

  • Título Original: Capitães da areia
  • Gênero do Livro: Romance
  • Editora: Companhia das Letras
  • Ano de Publicação: 2009
  • Número de Páginas: 280
Sinopse: Desde o seu lançamento, em 1937, Capitães da Areia causou escândalo: inúmeros exemplares do livro foram queimados em praça pública, por determinação do Estado Novo. Ao longo de sete décadas a narrativa não perdeu viço nem atualidade, pelo contrário: a vida urbana dos meninos pobres e infratores ganhou contornos trágicos e urgentes. Várias gerações de brasileiros sofreram o impacto e a sedução desses meninos que moram num trapiche abandonado no areal do cais de Salvador, vivendo à margem das convenções sociais. Verdadeiro romance de formação, o livro nos torna íntimos de suas pequenas criaturas, cada uma delas com suas carências e suas ambições: do líder Pedro Bala ao religioso Pirulito, do ressentido e cruel Sem-Pernas ao aprendiz de cafetão Gato, do sensato Professor ao rústico sertanejo Volta Seca. Com a força envolvente da sua prosa, Jorge Amado nos aproxima desses garotos e nos contagia com seu intenso desejo de liberdade.
Comprar na Amazon

“Prenda o leitor já na primeira frase” — essa dica não falta quando se trata de orientações para criar narrativas ficcionais. Embora de difícil execução, o conselho se sustenta quando se analisa a concorrência que se impõe aos livros (por exemplo, outros livros e as redes sociais), além da falta de tempo de que todo mundo se queixa. Uma obra que capta a atenção do leitor no primeiro encontro tem mais probabilidade de não se ver revendida num sebo ou esquecida numa estante.

Em caso de livros ou autores célebres, essa característica pode não ter tanto peso. Mesmo que o início não seja tão cativante, a validação prévia da obra nos leva a acreditar que logo adiante nos depararemos com aquele tchã, aquele aspecto que faz a obra aparecer em listas de indicações.

Entre mim e Capitães da areia ocorreu algo desse tipo. A minha leitura do livro começou arrastada, como se ele e eu não tivéssemos ainda nos conectado. Por isso, o deixei por uns dias, troquei-o por outros, fingi que não o via.

Afora o fator que descrevi no parágrafo anterior, sou persistente nas leituras (sinto-me mal por largar alguma pela metade e só o faço depois de avançar por muitas e muitas páginas). Então resgatei esse romance da mesa de cabeceira. Foi aí que o match aconteceu.

Continue lendo

1 2 3 4 56
© 2024 Histórias em MimDesenvolvido com por