"4" Post(s) arquivados na Tag: literatura brasileira

18 de maio de 2022

0 Comentários

[Resenha] Curral de serras

Por Alvina Gameiro

  • Título Original: Curral de serras
  • Gênero do Livro: Romance
  • Editora: Nórdica
  • Ano de Publicação: 1980
  • Número de Páginas: 228
Sinopse: O leitor será apresentado a um mundo fascinante e novo. A cultura, os costumes, o modus vivendi, enfim, é, entre os caboclos do Nordeste, algo que não se altera já há muito tempo. E exatamente isto, que não se altera, mas nos é novo, é o que Alvina Gameiro oferece.
Esse romance encanta não só pela história, mas também pela maneira como a história é contada. É um verdadeiro trabalho de teletransporte. Lendo o livro, nos sentimos entre aqueles que da terra vivem, naquela região que costuma ser tão estereotipada.

Desde que terminei a leitura de Curral de serras, de Alvina Gameiro, estou à procura de um adjetivo que o defina. Impressionante, surpreendente e encantador são palavras batidas e não refletem a grandiosidade dessa obra.

Curral de serras foi o penúltimo livro da autora, publicado em 1980, que também escreveu os títulos A vela e o temporal (1957), O vale das açucenas (1963), Chico Vaqueiro do meu Piauí (1979), entre outros.

Alvina Gameiro nasceu em 1917, em Oeiras, no Piauí, e faleceu em 1999, em Brasília, Distrito Federal (DF), depois de ter morado em diversas cidades do Brasil e do mundo. Teve uma rica carreira literária e uma formação bastante avançada para as mulheres de sua época (formou-se em artes plásticas na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e graduou-se na Universidade de Colúmbia, em Nova Iorque, nos Estados Unidos). Ganhou prêmios literários, foi membro da Academia Piauiense de Letras e ministrou aulas de inglês e português.

Quem já leu a minha biografia aqui no blog sabe que nasci em Teresina, Piauí, e moro no DF há 23 anos (cheguei aqui justamente no ano em que Alvina se foi). Então, você pode suspeitar que a minha empolgação com essa obra se deve a uma espécie de bairrismo.

Continue lendo
12 de maio de 2022

0 Comentários

A mãe da Babi

Ilustração de Bianca Lana.

Mãe de alguém. Chega um momento na vida em que passamos a ser conhecidas assim, como se nos faltassem nomes. Meu filho ainda nem saiu das fraldas e eu já reparo nisso de vez em quando.

A mãe da Babi, de Um ipê de cada cor, vive essa experiência. Não sabemos o seu nome. Não sabemos muito sobre a sua história. Ela é a mãe da Babi e da Ana.

Mas nos inteiramos de seu ingresso no mundo materno, de sua preocupação em repetir os erros com a segunda filha, de sua forma de amar as duas.

Ainda no ensino médio, ela conheceu um garoto que se tornou um amigo inseparável. A amizade cresceu, se modificou e, de repente, como não é raro na juventude, os dois acharam que não viveriam um sem o outro. Da paixão veio a surpresa: logo o casal traria mais um ser ao mundo.

Continue lendo
30 de março de 2022

0 Comentários

[Resenha] A droga da obediência

Por Pedro Bandeira

  • Título Original: A droga da obediência
  • Gênero do Livro: Romance
  • Editora: Moderna
  • Ano de Publicação: 2014
  • Número de Páginas: 190
Sinopse: Uma turma de adolescentes enfrenta o mais diabólico dos crimes! Num clima de muito mistério e suspense, cinco estudantes — os Karas — enfrentam uma macabra trama internacional: o sinistro Doutor Q.I. pretende subjugar a humanidade aos seus desígnios, aplicando na juventude uma perigosa droga! E essa droga já está sendo experimentada em alunos dos melhores colégios de São Paulo. Esse é um trabalho para os Karas: o avesso dos coroas, o contrário dos caretas!
Comprar na Amazon

De vez em quando, leio depoimentos de leitores e leitoras saudosos, citando A droga da obediência, de Pedro Bandeira, como uma obra que marcou sua adolescência. Eu não tive a oportunidade de conhecê-la quando era mais jovem (ou mesmo de tomar conhecimento de sua existência). Só agora, na vida adulta, tive o livro em mãos.

A droga da obediência foi publicada em primeira edição em 1984 e iniciou a série Os Karas, composta também por Pântano de sangue (1987), Anjo da morte (1988), A droga do amor (1994), Droga de americana! (1999) e A droga da amizade (2014).

O livro conta a história de cinco adolescentes que formam o grupo os Karas: Miguel, Crânio, Magrí, Calu e Chumbinho. Liderados por Miguel, o presidente do grêmio estudantil, os amigos se reúnem em um esconderijo secreto e possuem códigos e regras próprias. São jovens atuantes e influentes na escola, uma escola que inclui os alunos nas decisões.

Continue lendo
16 de janeiro de 2022

0 Comentários

[Resenha] A lua de Alice

Por Carol Petrolini

  • Título Original: A lua de Alice
  • Editora: Cortez
  • Ano de Publicação: 2020
  • Número de Páginas: 64
Sinopse: Alice tem doze anos, gosta de estar com as amigas e jogar futebol. Mas quando decide passar o fim de semana na casa da avó, é surpreendida pela chegada de sua primeira menstruação! Surgem dúvidas, medo e preocupação. Afinal, ela já tinha ouvido falar muita coisa desagradável sobre esse assunto. Neste livro, Carol Petrolini aborda o significado da primeira menstruação e dos ciclos femininos, faz reflexões sobre o ser mulher no mundo atual e traz à tona a importância da sororidade e da empatia. Alice percebe que as mulheres funcionam de acordo com um ciclo, assim como a natureza, e desperta para os saberes femininos antigamente transmitidos de geração em geração – de avó para mãe e para filha – e que agora podem ser acessados por todas as mulheres e por todos os homens. (Fonte: Amazon).
Comprar na Amazon

Não sou grande fã de livros para crianças e jovens escritos para ensinar alguma coisa. Como eu já disse aqui, os textos literários são uma fonte de conhecimento, mas ensinar não deve ser seu objetivo.

A lua de Alice, livro escrito por Carol Petrolini e ilustrado por Laura Barbeiro, parece ter a finalidade de esclarecer à leitora ou ao leitor o tema da primeira menstruação. Mesmo assim, o caráter informativo não prejudicou a obra, que conseguiu aliar o conteúdo que queria transmitir a uma história bonita de parceria entre avó e neta.

No livro, acompanhamos um dia da vida de Alice, uma garota de doze anos de idade que vai passar o final de semana na casa da avó materna. Fazia tempo que ela não dormia ali. O quarto traz lembranças de quando era bem pequena e uma sensação de aconchego.

Exatamente em um desses dias na casa da avó, Alice passa por uma situação nova, incômoda para toda menina. Na verdade, ela tem a sorte de estar lá nessa data. A avó trata o assunto com naturalidade e tem uma longa conversa com a neta sobre o que significa (ou deveria significar) aquela experiência, ao contrário da forma como é encarada no mundo atual (quer dizer, no contexto sociocultural em que vivem Alice e a avó).

— O que aconteceu com você hoje, Alice, a chegada de sua “lua”, de sua primeira menstruação, não é motivo de tristeza nem de medo. É um momento belo, simbólico, que mostra que você faz parte desse círculo da vida, da ciranda de mulheres que vieram antes de você: sua mãe, avós, bisavós, tataravós e todas antes delas, gerações e gerações de mulheres, nossas ancestrais (p. 19).

Continue lendo

1 2 3 10
© 2022 Histórias em MimDesenvolvido com por