22 de maio de 2024

0 Comentários

[Resenha] Mulheres que não eram somente vítimas

Por Regiane Folter

  • Título Original: Mulheres que não eram somente vítimas
  • Gênero do Livro: Novela
  • Editora: Folheando
  • Ano de Publicação: 2023
  • Número de Páginas: 96
Sinopse: Quem foi Mariana Tavares e como morreu? Essas são as perguntas que levam a determinada jornalista Maria Silva a investigar a misteriosa morte de uma adolescente. O que antes parecia um trágico acidente esconde um histórico de violência que impulsiona a jornalista em sua apuração em busca de justiça não só por Mariana, mas também por si própria e todas as mulheres que merecem ser mais do que vítimas.
Comprar na Amazon

E se olhar para a dor do outro for um tratamento para as nossas próprias dores? Mulheres que não eram somente vítimas aponta nessa direção (e em outras tantas) numa narrativa que nos instiga a ler até o final.

O livro é o segundo da escritora brasileira Regiane Folter. O primeiro, uma coletânea de contos sobre o amor intitulada AmoreZ, apareceu por aqui há quase quatros anos.

O novo livro se inicia com a recusa da jornalista Maria em escrever uma matéria que lhe foi atribuída. Ela o faz com veemência, até com certa teimosia e uma boa dose de raiva, criando um desconforto com sua amiga editora.

O enredo não nos entrega de cara o porquê de sua reação, deixando-nos apenas com suposições e curiosidade. Pouco a pouco se conhece a protagonista, seu modo de pensar e agir, sua relação com o mundo, ao mesmo tempo em que se revela a história que serve de pano de fundo, a história de Mariana, o objeto do desgaste entre Maria e sua chefe Tatiana. Ao refazer os passos de Mariana, Maria tem a oportunidade de olhar para dentro de si, de reviver e reescrever sua própria história.

Continue lendo
14 de março de 2024

0 Comentários

Uma carta para Carolina

Você e eu só temos em comum o desejo de escrever, o desejo de menos injustiça. De resto não posso mensurar sua experiência de fome, preconceito e miséria.

Mas senti sua dor nos relatos do dia a dia na favela, no estranhamento na casa de alvenaria.

Sempre que posso falo de você, da sua força, do seu sonho, da verdade em suas palavras, da atualidade dos seus escritos, que datam de mais de meio século. Queria que todo mundo, gente jovem, gente velha, pobre, rica, classe média, lhe fizesse uma visita.

Nascemos separadas pelo tempo. Quando vim ao mundo você já tinha partido dez anos antes e ninguém me apresentou a você. Nosso primeiro encontro foi há cerca de cinco anos, antes que o planeta entrasse em um pesadelo do qual tememos nunca mais sair.

Vi na sua história uma história que não apenas se conta, uma história que ainda se vive neste país tão desigual, embora optemos por fechar os olhos às vezes.

Continue lendo
08 de março de 2024

0 Comentários

História da mulher


A história da mulher é de ocultamento, seja na cozinha da casa, atrás de um lenço, uma burca ou um vestido, atrás de um pseudônimo masculino, atrás de um dogma, atrás de uma imagem imaculada de mãe.

A história da mulher é de paradoxos. Considerada frágil e perigosa ao mesmo tempo. Ora santa, ora pecadora. Maria gerou o filho de Deus. Eva seduziu Adão. As bruxas foram queimadas na fogueira. E até hoje uma mecha de cabelo feminino intimida a virtude masculina.

Não é contraditório que o mesmo corpo que concebe vidas seja símbolo de tentação? O corpo feminino é usado, controlado, podado, interditado. Quantas regras são impostas a nossos corpos?

Mulher sempre foi tratada como posse. “Minha mulher”, dizem eles. Antes elas quase não tinham escolha, hoje não podem escolher terminar uma relação. Isso pode sentenciar sua morte.

Mulher leva a culpa até quando é vítima. Por que ela não foi embora? Por que retornou? Por que saiu sozinha? Por que vestiu aquela roupa? Por que não disse não? Por que disse sim? Por que não se protegeu? Por que não pediu ajuda? Por que deixou chegar a esse ponto?

Continue lendo
08 de fevereiro de 2024

0 Comentários

Meu melhor amigo

Revi essa foto na casa dos meus pais dias atrás, uma foto impressa, do tempo em que revelávamos nossas fotografias e as guardávamos em álbuns de papel.

Essa imagem desbloqueou a memória da infância e pré-adolescência. Por isso, tirei uma foto da foto para guardar comigo, no meu arquivo eletrônico.

Esse aí, todo posudo, era o meu melhor amigo daquela etapa da vida — e isso não é mero clichê. Ele era quem me acompanhava em passeios pelas ruas do bairro, em brincadeiras solitárias.

Olhando em retrospecto, eu era uma criança introvertida (não que isso tenha mudado tanto com o tempo). A diferença de quatro anos entre minha irmã e eu quase sempre nos colocou em fases diferentes, com interesses diferentes, à medida em que crescíamos. E meus maiores interesses ficavam circunscritos ao espaço da casa (tevê e criação de histórias) ou das proximidades (leitura de textos bíblicos na missa semanal e passeios com ele).

Continue lendo

1 2 3 55
© 2024 Histórias em MimDesenvolvido com por