"4" Post(s) escrito(s) por: Eriane Dantas

11 de junho de 2019

2 Comentários

Lembrança e esperança

Por Eriane Dantas

Mamadas, choro, fraldas sujas. A memória me aponta, maldosa, aqueles dias de antes, aqueles dias tomados pela série da vez, pelo livro do momento; aquelas noites de encontros com múltiplos personagens; aqueles dias previsíveis; aquelas noites de sonos inteiros.

Continue lendo
11 de fevereiro de 2019

4 Comentários

Apenas uma pequena pausa

Nem todo mundo que me conhece sabe que minha biografia começou a mudar há alguns meses, de uma forma que eu não esperava. Em breve minha família estará maior e provavelmente mais agitada. O mais incrível é que Joaquim ainda nem chegou, mas já me fez repensar meus hábitos, meus planos e minha forma de ver o mundo. Conseguiu me fazer enxergar em mim mesma aquilo que eu nem sabia que tinha, aquilo que eu nem imaginava que seria capaz de fazer. É como se eu estivesse lendo sobre uma personagem bem diferente de mim.

Continue lendo
09 de janeiro de 2019

0 Comentários

Finuras

Por Ana Luiza Barreto

Ainda que a gente tente escapar, não há conserto A poesia nos habita, é nossa natureza (trecho de “Minha natureza”, p. 28). Para começar o ano por aqui, um lindo trabalho lançado no final do ano passado, uma novidade que veio contrastar com os acontecimentos tenebrosos do último trimestre de 2018. Este é o primeiro livro de Ana Luiza Barreto, uma poeta baiana que tenho orgulho de apresentar como minha amiga e companheira de trabalho, de vida, de sonhos; que sabe combinar tão bem as palavras que consegue emocionar até mesmo com uma mensagem de celular.

Continue lendo
28 de dezembro de 2018

2 Comentários

Cartas para Marilu (n° 5)

Por Eriane Dantas

Sábado, 29 de junho de 1985. Marilu, Fiquei admirada com a notícia do início de seu namoro com o filho do amigo de seu pai. Como minha pequena menina poderia estar pensando em amor? Mas é hora de enxergar a realidade: como eu disse na primeira carta, você se transformou em uma bela moça. Aquela garotinha que caminhava para lá e para cá abraçada a um urso de pelúcia não existe mais, a não ser na minha memória, embora não pareça fazer tanto tempo que ela se foi. Por falar nisso, você se lembra do Dudu? Era o urso de pelúcia mais feio que já se tinha visto, mas você mesma o havia escolhido ao avistá-lo nas mãos de um vendedor de rua. Dudu logo se tornou seu melhor amigo. Dormia ao seu lado toda noite e a ajudou a enfrentar o medo do escuro. Era o único que a […]

Continue lendo

1 2 3 8
© 2019 Histórias em MimDesenvolvido com por